Escolha uma Página

Hoje vamos falar um pouco da história do Buquê de noiva.

Na história do Buquê de Noiva, a tradição vem da simbologia da vida, já que as flores são os órgãos reprodutores das plantas, portanto está ligada a fertilidade. Acredita-se que o buquê teria surgido na Grécia como uma espécie de amuleto contra o mau-olhado e o buquê era feito com uma mistura de alho, ervas e grãos. Esperava-se que o alho afastasse maus espíritos e as ervas ou grãos garantiam uma união frutífera.

Conta-se que na época de Nero, as noivas carregavam ervas e flores para oferecê-las em ritual a deusa Hera, a noiva de Zeus. Na Polônia costumavam até a jogar açúcar no buquê para adoçar o temperamento da noiva. Na França medieval as noivas seguiam para a igreja a pé e no trajeto iam recebendo flores que no final formavam o buquê e ainda tinham os que diziam que o buquê era para disfarçar as mãos tremulas devido a ansiedade nupcial.

Para espantar os maus fluidos ou para simbolizar prosperidade, o buquê é um objeto desejado e idealizado por muitas noivas. Eles podem apresentar varias formas, flores e cores. Tudo de acordo com a estatura da noiva, vestido e gosto. E vamos combinar, que é indispensável, é o toque final ao visual da noiva.

O importante é você escolher um buquê de acordo com seu vestido e personalidade e caso você não queira se desfazer do buquê então faça outro para ser tradicionalmente jogado às convidadas. Essa tradição já era praticada na antiguidade e por isso confeccionava-se dois buquês: o primeiro, abençoado pelo sacerdote era guardado. O segundo, era lançado em direção às mulheres solteiras. Aquela que conseguir pegá-lo, teria a sorte de ser a próxima a casar.

Então, se você não conhece meu trabalho exclusivo do Buquê Fake, confira aqui no blog e fique por dentro dessa obra de arte!

Fonte: Wikipedia, Superinteressante entre outras fontes na internet.